segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Um Sopro Verânico: Resenha do Humboldt Fueguia


Olá cheirosos!

Pra quem me acompanha desde o início conhece bem o meu interesse pela casa de nicho Argentina Fueguia. Já resenhei o Biblioteca de Babel com toda a sua imponência amadeirada (você pode ler aqui) e tenho curiosidade por muitos outros.

Pois não é que em mais uma troquinha ocorrida em um grupo de perfumes do Facebook  a querida Carol Sharlau decantou um pouquinho do extrato que possui de Humboldt. Carol, sua linda, obrigadíssima por esta experiência única. A versão que ela me passou foi o extrato, o óleo e me disse que o Eau de Parfum é ainda melhor. Meus sais, melhor?

Em Fueguia há várias coleções de perfumes e Humboldt faz parte da coleção Personajes. 
Olha só a maneira da marca descrever o perfume:

"Por trás da névoa, o som de um índio mordendo um maracujá brilhante. Alexander Von Humboldt é seduzido pelo ar fresco".

No mínimo inusitado e que desperta curiosidade imediata. Sua pirâmide mostra apenas três notas (aliás, todos os Fueguias relatam apenas três notas em todos os seus perfumes). Aqui no caso são Bergamota, maracujá e tangerina.

E eu pensava que Bergamota e Tangerina era a mesma fruta, apenas mudava de nome devido aos reginalismos do país.  Não gente, não é! 

TANGERINA, do latin Citrus Reticulata


Perfil do odor: hesperídeo, mais doce que a laranja e com acentos de mel. 

BERGAMOTA, do latin Citrus Aurantiun subespécie Bergamia


Perfil do Odor: Cítrico, amargo e azedo com nuances frutadas que lembram o chá Earl Grey

Pesquisa é delícia por isso, sempre descobrimos coisas que não imaginávamos. Particularmente nunca fui chegada em fragrâncias cítricas. Ou melhor, achava que não gostava. Aliás, pra uma pessoa que coleciona e pesquisa sobre o assunto aprende a ver beleza até em perfumes que desagradam de início. 

Li sobre Humboldt e pensei...porque não? Bom, já é um Fueguia, só isso já basta para querer conhecer. 

Imagine-se em uma cozinha de casa de campo, rústica, com aquele jeitinho de casa de vó quando você a visitava nas férias de verão na infância.


 O vento quente que entra pela janela aberta alisa seus cabelos trazendo o aroma de grama recém cortada. Há no fogão uma panela com manteiga já a derreter. Ali você joga hortelã e manjericão. Vai até a fruteira e pega algumas tangerinas murcote (aquela da casca mais fininha), remove as cascas. Quase passadas, mas dá um belo suco. Alcança um maracujá, remove a polpa e joga junto com as tangerinas dentro do liquidificador. Ao invés de usar apenas água, tira da geladeira um litro de chá verde gelado e com ele faz um belo suco com as frutas.

Conseguiu "sentir o cheiro" desta cena? Gente, JURO que a saída me dá a sensação de notas verdes de grama, hortelã e, pasme, aquele temperado manjericão, só que amanteigados. Vai entender, o meu nariz captou exatamente isso. Manteiga aquecida com mangericão e hortelã. 

Só com essa saída inusitada já me ganhou.Aos poucos esse aspecto verde vai sumindo e dá lugar à uma tangerina dulcíssima, quase passada. Acredite gente, é muito bom o cheirinho, bem natural, da fruta mesmo. 



O maracujá entra logo depois, se juntando à tangerina mas ele não vem sozinho. Há algo verde, levemente armargo que me parece ser a folha do maracujá. Por bom tempo esse citrino adocicado é intenso e projeta muito. Já seu esmaecimento eis que senti a Bergamota. Como ela apareceu?

Tadãn!! Chá Verde!

Sim, isso mesmo, chá verde! Bem gelado e adoçado com açúcar mesmo, mas não muito. Dá pra sentir direitinho o aroma desse chá em particular, e pela descrição do odor da Bergamota, provavelmente vem dela. 

Meu novo amor aparecendo aqui novamente. 
Veredicto: Aprendi mais uma vez que assim como não se deve julgar um livro pela capa, NUNCA julgue um perfume apenas por sua classificação e notas. Experimente antes de qualquer conclusão. Eu desconfiava que gostava sim de fragrâncias cítricas. Bem, Light Blue de Dolce&Gabbana é unanimade nacional, Baiser Vole de Cartier também caminha por esse lado, e ele, o meu lindo salve salve já resenhado aqui, meu novo amor, Eau de Cartier é, advinha....um cítrico aromático.


NUNCA iria pensar que eu, escorpiana adoradora de orientais mais escuros iria se render ao frescor de perfumes cítricos.

Vivendo e aprendendo.....

Bjxxx de K-Pax

Fontes: Fragrântica e Google


10 comentários:

  1. Caramba, que resenha mais bem descrita é esta?! Viajei junto aqui, deu água na boca e tudo mais... Devaneio puro sua escrita. #morto e sucumbido pra querer 12 litros deste líquido quase indescritível aí! Parabéns pela resenha linda Carla!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eu recebi a linda caixa da Carol, vieram 3 flaconetes sem escrita. E agora José? Perguntei pra linda quais eram as boamostras. A que vinha pouco era o óleo do Humboldt e as demais ela tinha pego na Sephora de Paris (ui, só de pensar que esse vidrinho veio de lá já me sinto lisongeada).

      Ao provar o flaconete, hj mesmo, à noite, conversei com a Carol à respeito. E toda a imagem da historinha da casa da vó apareceu na cabeça, deu aquele "plin". Há perfumes que te dão esse "plin", outros não. E quando dá o plin, escreva. Pq a resenha sai do âmago, sai da alma. É por isso que não posto tanto, preciso ter esse "plin" para poder escrever. E é difícil ele aparecer. Mas quando aparece, sai do âmago de uma alma estasiada. Esses insigths aparecem raramente, mas quando acontecem rendem resenhas vindas, literalmente, das entranhas. São impressões viscerais, de uma intensidade muito grande.
      Coisa de escorpiana. Podem me chamar de maluca e de lua. Sou mesmo, rsrsrsrs

      Excluir
  2. Que vontade de me lambuzar com o sumo dessas frutas cítricas, Carla! E olha que tbém não sou grande fã de tais perfumes, mas esse seduziu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diana, é surpreendente porque eu sempre achei que nunca gostaria de um perfume que olhando pela capa é sumo de frutas cítricas. As vezes é tão bom levar um tapa na cara para acordar e ver o que há no entorno. bjxxx

      Excluir
  3. Oi Carla! Fiquei aqui desejando tanto um Humboldt! Adoro cítricos, aliás são minha grande paixão. E agora, eu aqui do outro lado do mundo, em Portugal, como conseguir comprar essa marca? Beijo agradecido. Seu blog é lindo. Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seguinte: eu que resido no interior do RS e estou relativamente próxima de Buenos Aires não tenho o meu porque você só encontra pra vender na loja física da marca. Venda restritíssima, nicho mesmo. Então, é encomendar com alguém que passe por lá. Provavelmente o meu caso será assim, ou melhor, eu deveria é viajar pra lá. Deve ser uma experiência única porque a casa tem realmente muitos perfumes.

      Excluir
  4. Diego Schild Smiths30 de setembro de 2014 11:34

    Ótima resenha.

    Realmente a Fueguia é uma excelente casa. Além de obras primas, visitar a loja deles em Buenos Aires não tem preço.

    Não lembro de ter visto este na última vez que fui lá, mas na próxima já está anotado na listinha. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Invejando a sua experiência. Já coloquei uma viagem até lá como umas das prioridades turisticas. E sim, esse vale MUITO a experiência!

      Excluir
  5. Boa notícia: numa entrevista com Julian Bedel Fueguia, que encontrei com a ajuda do precioso Google, ele afirma que os perfumes da marca já estão na Europa e que está prevista uma loja para S. Paulo este ano... Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, Deus te ouça. Li que tb há lojas no oriente tb. Os hermanos estão perdendo de vender MUITO pq o Brasil é um dos países onde mais se vende. Não pode ser por birra! Vou começar a pentelhar a página deles no face.

      Excluir

Apimente o PV, seu comentário é muito importante!